Especial Castelos: Castelo de Blois

Depois de falar sobre a minha experiência no castelo de Chambord chegou a hora de falar sobre a minha experiência visitando o castelo de Blois, que conseguiu deixar muitas boas memórias guardadinhas na minha cabeça!

Blois é uma cidadezinha situada no Vale do Loire e só leva 20 min de trem até chegar lá de Amboise (cidade onde eu morei). Num final de semana desses, decidimos ir até o Castelo de Blois para conhecer. Pra vocês terem uma noção de Blois, algumas fotinhos que eu tirei por lá:

Blois é uma cidade linda: um pouco maior que Amboise, mas ainda assim pequena. Alguns jardins do castelo são abertos (pelo que eu entendi), então no caminho até ele você pode caminhar pelos jardins sem pagar nada. Mas estava muito frio pra fazer qualquer coisa e fomos direto ao castelo que… Fechou para o almoço e a gente teve que esperar 1h30min do lado de fora. Tá, OK, fomos firmes e fortes e ainda tivemos a cara de pau de fazer um piquenique gelado do lado de fora do castelo.

Bom, mas pra começar falando do castelo, foi o Louis XII, que nasceu em Blois em 1462, quem o transformou em uma verdadeira obra renascentista! O castelo fica numa grande colina, pode ser avistado desde muito longe e isso faz com que a vista lá de cima seja soberba! Além disso, ele conta com um pátio interior imenso e uma escada renascentista em espiral, pensada e criada no reinado de François I (se eu não me engano), que é a coisa mais linda desse mundo!

O castelo conta com alguns segredos, como qualquer outro castelo. Um deles é a lenda de que Catarina de Médicis escondia seus venenos em pequenas cabines nas paredes e elas se abriam ao acionar um mecanismo de pedal na parte inferior da parede! Hoje, a história é substituída pela de que as cabines eram usadas pelo rei para mostrar aos seus visitantes os seus bens preciosos. Eu não sei vocês, mas eu ainda prefiro acreditar na história da Catarina de Médicis!

Existe muito a se ver na parte interior do castelo, mas ele deixa um pouco a desejar na questão das inúmeras e gigantes partes restauradas. Ele é mais como um museu de objetos do que realmente um castelo onde a gente olha os cômodos, etc. Algumas partes também são fechadas e eu lembro que, quando eu fui, algumas partes estavam fechadas só por causa da época, mas em outros períodos eles abriam e a gente podia visitar.

Mas então, depois de muito falar, é hora de olhar! Vejam as fotos que eu tirei do castelo e da vista de lá:

Alícia

Comments are closed.